“Não podemos mais esperar”, relatam Vereadores ao Governador sobre Hospital Regional

por Cristina Imprensa publicado 03/05/2022 14h51, última modificação 03/05/2022 14h51
São reivindicados recursos financeiros para o imediato e pleno funcionamento do hospital, que já foi inaugurado há dois anos

O plenário deve votar hoje, 3 de maio, um Requerimento de Moção de Apelo ao Governador do Paraná, Carlos Massa Ratinho Junior, solicitando o imediato e integral funcionamento do Hospital Regional de Guarapuava. O pedido é feito num momento em que os dois hospitais filantrópicos da cidade, São Vicente e Santa Tereza, assim como as Unidades Básicas de Saúde, estão com as capacidades de atendimentos esgotadas por falta de profissionais das áreas médica e de enfermagem.

O documento destaca que, por se tratar de um polo regional com 22 municípios e mais de 600 mil habitantes, o que se vê é “uma situação insustentável na área de saúde”. “É perceptível que estamos próximos ao estágio de um colapso, em meio, também, a uma crescente insatisfação popular, de pais e mães que se utilizam da rede pública e não encontram o serviço esperado. Refiro-me a uma longa espera por um pediatra, com o filho no colo, doente, e à frustração de ir embora sem receber o atendimento porque as fichas se esgotaram. O serviço público precisa se pautar por estratégias, estatísticas e planejamento, de modo que o efeito-surpresa não acabe em tragédias, com óbitos de pacientes. Não podemos mais esperar”, afirma.

Diante do exposto, Vereadores reivindicam ao Governo do Estado recursos financeiros para o imediato e pleno funcionamento do Hospital Regional, que já foi inaugurado há dois anos e no qual foram aplicados “do dinheiro do povo paranaense” mais de R$ 105 milhões na construção e R$ 31 milhões em equipamentos.

“Entendemos que é o passo inicial para que aquela estrutura física cumpra, efetivamente, a função para a qual foi projetada, como hospital-referência no atendimento à população regional”, finaliza a proposição, cuja iniciativa é do Presidente da Comissão de Saúde, Vereador Pedro Moraes, e que deve ser assinada por todos os 21 legisladores.